Como todas as capitais da América do Sul, Bogotá é terra de trânsito caótico (talvez o pior que já enfrentamos), desigualdades sociais e algumas regiões inseguras. Mas também há muito charme, história e cultura preservados em dois pontos da capital da Colômbia que certamente valem a visita: o Centro Histórico e o Bairro Usaquén. No primeiro deles, pulsa o coração da Praça Simon Bolívar, com a imponente Catedral de Bogotá, o Capitólio Nacional, o Palácio da Justiça, o Senado e o palácio presidencial. E ali ao lado, o Museu de Botero, dedicado aos quadros e esculturas de Fernando Botero, artista plástico de fama internacional com suas obras rechonchudas e avolumadas.

E depois de muito bater perna pelo Centro, reserve tempo para um inesquecível almoço no Restaurante Tabula. Esqueça firulas, pratos gourmets e ingredientes importados. No Tabula, o chef Tomas Rueda aposta em ingredientes do campo para valorizar a gastronomia colombiana. Berinjela gratinada com queijo de cabra, mandioca frita regada ao molho de especiarias, torta de milho com mel foram os acompanhamentos da grande estrela do nosso almoço: uma canela de novilho (ossobuco) marinado por 8 horas e assado por outras 16 em forno à lenha. E tudo servido em louças artesanais, com pinturas e desenhos que remetem às tradições familiares da Colômbia. “O mais bonito de uma refeição é o ato de compartilhar. E não acredito que seja preciso trazer um cordeiro da Nova Zelândia ou um salmão do Chile para fazer uma boa comida. Aposto nos pratos com uma identidade colombiana”, diz o chef Tomas.

Ainda no Centro Histórico, é imperdível a visita ao Museu do Ouro, às galerias de arte que compõem a Manzana Cultural e ao Morro de Monserrate. À noite, esqueça o Centro, que fica praticamente às moscas, e pegue o caminho do antigo Bairro Usaquén, polo de restaurantes e bares movimentados. Para um jantar elegante e farto, a dica d’A Casa Nômade é o francês La Provence de Andrei. Comandado por um empresário romano, natural da Transilvânia, o restaurante integra um complexo gastronômico que ainda conta com outros quatro espaços especializados em comida italiana, grega e mediterrânea.

No La Provence de Andrei, o encanto começa com o atendimento primoroso e os queijos franceses servidos de entrada. O deleite continua com camarões ao alho servido em ninho de purê rústico, e filé mignon com bacon, salada e tagliatelle trufado com nozes e parmesão. E para concluir o banquete, nada melhor que o tradicional creme brulee. Provamos e recomendamos!

Saiba mais sobre nossa viagem pela Colômbia com a Rádio CBN.

Author

1 comment

  1. Essa, é pra ficar na memória: ” O mais bonito de uma refeição é o ato de compartilhar.”
    Como tudo o que há de bom nessa vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *